TOC não é brincadeira…

Compartilhe com um amigo!

Share on telegram
Share on whatsapp
TOC não é brincadeira

…deixe de rotular as pessoas e suas manias. O assunto é sério e merece atenção!

Oi, tudo bem com você?

O tema de hoje é TOC, o Transtorno Obsessivo Compulsivo. Porque, atualmente, muita gente banaliza o termo e diz que tudo é TOC. Vive em um ambiente organizado? TOC. Deixa sua pia sempre limpa? TOC. Mas, na verdade, esse rótulo não reflete a realidade. TOC é uma doença, não uma frescura!

Ser uma pessoa organizada não significa, necessariamente, que tenha TOC. Embora comum, ele é crônico e duradouro. Uma informação muito importante sobre o assunto é que este transtorno é caracterizado pela presença de obsessões e compulsões, não por manias ou hábitos. TOC é uma doença psiquiátrica grave e, infelizmente, está entre as maiores causas de incapacitação, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

As obsessões que fazem parte do pensamento de quem convive com o TOC, normalmente, são impulsos ou imagens recorrentes e persistentes. Já as compulsões são comportamentos repetitivos ou atos mentais que a pessoa se sente forçada a executar em resposta a uma obsessão ou sob regras que devem ser aplicadas de forma rígida e frequente.

Perceba no início

Indivíduos Transtorno Obsessivo Compulsivo podem apresentar sintomas de obsessões, compulsões ou também as duas coisas. Estes problemas podem interferir em todas as áreas da vida da pessoa, incluindo a profissional, nos estudos e nos relacionamentos pessoais.  

Os sintomas podem estar em você, mas também em pessoas do seu convívio, que merecem a sua ajuda. Fique atento, porque os principais pontos dessa questão sobre o TOC envolvem alterações do comportamento – com rituais ou compulsões, repetições e evitações, – além de pensamentos, cujas preocupações são excessivas, as dúvidas são recorrentes e as ideias de conteúdo impróprio ou ruim são frequentes. Sobre as emoções, as pessoas sentem medo, desconforto, aflição, culpa e depressão. Doentes de TOC sofrem ainda com medos de contrair doenças ou cometer alguma falha. Por conta disso, acabam por evitar situações que podem provocar tais desconfortos, limitando a vida de forma cruel.

 Quando não é só mania ou “frescura”

Uma das formas de perceber que um comportamento pode ter a ver com a doença é quando as obsessões passam do limite e deixam de ser apenas uma preferência ou mania. O transtorno é detectado quando os pensamentos se repetem, bem como impulsos ou imagens mentais que causam ansiedade são frequentes. Entre as obsessões mais comuns estão:

1. Medo de germes ou contaminação. A pessoa passa a lavar as mãos constantemente, sem ao menos se importar com um possível desgaste na pele;

2. Limpeza excessiva. Tanto em locais quanto em relação ao corpo, o indivíduo preocupa-se excessivamente com a limpeza e faz higienizações a todo momento;

3. Revisões. A pessoa com TOC revisa diversas vezes se fechou portas e janelas, ligou o alarme, desligou o gás ou o ferro de passar e as luzes, além de outras atividades antes de sair de casa ou dormir. Ela é capaz de voltar por mais de cinco vezes para constatar o sucesso de suas ações ou se levantar da cama durante toda a noite;

4. Pensamentos impuros. Há quem tenha pensamentos impuros ou indesejados envolvendo sexo, religião e danos a todo momento. Ideias agressivas em relação aos outros ou a si própria também acontecem;

5. Simetria e ordem. Um paciente psiquiátrico com TOC relata, muitas vezes, a obsessão por coisas simétricas ou em ordem perfeita, seja por cores ou tamanhos, por exemplo.

Algumas pessoas com TOC também enfrentam um distúrbio conhecido como “tique” – movimentos súbitos, breves e repetitivos, como piscadas e movimentos com os olhos, encolhimento do ombro e empurrão da cabeça. Por sua vez, os tiques vocais incluem sons repetitivos de limpar a garganta, cheirar e/ou grunhir.

Alerta para mulheres de todas as idades

As mulheres com TOC, por exemplo, tendem a perder a autoestima e fugir do convívio com as pessoas. Elas passam a se odiar, inclusive, e a se boicotar. Quando percebem que precisam de ajuda, normalmente, elas tentam ajudar a si mesmas, evitando situações que desencadeiam suas obsessões. Sem sucesso, claro! Em outros casos, podem até começar a utilizar bebidas alcoólicas ou drogas para acalmar os pensamentos.

Se você se identifica com este conteúdo, não se desespere, mas procure por ajuda. Fale com um psiquiatra sobre os sintomas, para que o TOC não seja protagonista das suas ações e para que você possa viver mais livre. A MentalMe se propõe a ajudar!

Dr. Giovani Missio

Dr. Giovani Missio

A Saúde Mental abrange um largo aspecto de funcionamento mental que vai desde a grave doença mental até o funcionamento de alta performance.

Newsletter

Receba gratuitamente nossos conteúdos toda semana diretamente no seu e-mail.

Siga Nossas
Redes Sociais

Posts Recentes

Facebook

Categorias:

O tratamento de sucesso depende
da avaliação correta

A tecnologia auxiliando a psiquiatria de precisão, possibilitando diagnósticos mais acurados e, por consequência, tratamentos de mais resultado.

Assine a nossa newsletter

Receba gratuitamente nossos conteúdos toda semana diretamente no seu e-mail.

Ops!! Antes de ir assine a nossa newsletter

Receba gratuitamente nossos conteúdos toda semana diretamente no seu e-mail.